31 de março de 2009

Fim do telemarketing.

Lei 13226/08 e o fim do telemarketing

Em outubro do ano passado, foi sancionada pelo governador José Serra a Lei n.º 13.226/08, que proíbe ligações de empresas de telemarketing a cidadãos, previamente cadastrados, no Estado de São Paulo.

Artigo 1º - Fica instituído, no âmbito do Estado de São Paulo, o Cadastro para o Bloqueio do Recebimento de Ligações de Telemarketing.
Parágrafo único - O Cadastro tem por objetivo impedir que as empresas de telemarketing, ou estabelecimentos que se utilizem deste serviço, efetuem ligações telefônicas não autorizadas para os usuários nele inscritos.

A lei não se aplica às entidades filantrópicas, mas vale tanto para telefones fixos, quanto para celulares. O titular da linha cadastrada que receber uma ligação de telemarketing, deverá comunicar o Procon. A empresa que não respeitar o cadastro estará sujeita às sanções previstas no Código de Defesa do Consumidor.

Segundo Maria Inês Dolci - coordenadora institucional da Pro Teste (Associação Brasileira de Defesa do Consumidor) e colunista da Folha de São Paulo – essa lei passará a vigorar no final deste mês e o cadastro poderá ser feito no site do Procon ou em uma agência do Poupatempo. Após 30 dias, as ligações serão bloqueadas.

Até o momento, não encontrei nenhum formulário disponível no site do Procon. Vamos aguardar pelo fim das ligações inoportunas.

O Procon já disponibilizou em seu site um formulário para cadastro:    http://www.procon.sp.gov.br/BloqueioTelef/

30 de março de 2009

Tudo é uma questão de estar em forma.

video

Bons livros para você, não perca !

E-books OPERAÇÃO CAVALO DE TRÓIA por J.J. Bénitez. Posted: 07 Jan 2009 09:45 AM PST by www.banca-de-revista.com Este Box contém os oito volumes da polêmica e mundialmente conhecida epopéia escrita pelo jornalista e escritor espanhol J. J. Benítez. Batizada pela Nasa de "Operação Cavalo de Tróia", uma fantástica experiência científica teria sido realizada em 1973 em pleno coração de Israel. Ela simplesmente transportou dois astronautas americanos para uma viagem no tempo há dois mil anos para poderem testemunhar a presença de Jesus Cristo na Terra. Os protagonistas da viagem foram Eliseu, o piloto, e Jasão, o major que acompanhou Jesus desde sua entrada em Jerusalém até a prisão, julgamento, crucificação e ressurreição. O diário das memórias do militar, em refúgio no México no fim da vida, acabaram nas mãos do esperto Benítez que transformou os documentos na famosa série de livros. O relato apresentado é, no mínimo, impressionante pelos detalhes e implicações que revela. Para Benítez, Jesus era muito mais humano, mais próximo e complexo, sem perder a divindade. Em entrevistas, o autor afirma não crer que Jesus tenha fundado a Igreja Católica, estabelecido a eucaristia e menos ainda que Maria era virgem. Por mais absurdo que possa parecer, segundo Benítez, o papa não acredita em Deus e hoje a igreja é uma instituição lucrativa, uma multinacional que não está nem um pouco preocupada com os destinos do povo. Tamanho: 15 mb Formato: pdf Páginas: aprox.500pág/volume Idioma: Pt-Br Obs: Disponibilizamos o volume-1 para download, os demais poderão ser solicitados na seção “fale conosco”.

29 de março de 2009

Neurogênese, exercícios criam novos neurônios !

Neurogênese, exercícios podem criar novos neurônios!

A prática regular de atividades físicas nos trás diversos benefícios para a saúde, isso já está estabelecido por um sem número de artigos que relataram durante décadas esses fatos. No entanto sempre surgem novas descobertas mesmo aonde nem sequer imaginamos. O novo campo que está sendo explorado ressalta esses benefícios!

Até pouco tempo o estabelecido pela ciência é que não há nascimento de novos neurônios em humanos adultos, teoria corroborada por Pasko Rakic, da Universidade de Yale, que afirmou em artigo publicado na revista Science que a Neurogênese não ocorre no cérebro de primatas. Desde então a estabilidade do número de neurônios é usada para explicar o processo de aprendizagem contínua e memória (RAKIC, 1985), além de justificar a inevitável degradação das funções nervosas com o avanço da idade, a qual seria causada pela morte de neurônios que não seriam mais repostos.

Mas essa teoria não é aceita por todos. Um grupo de pesquisadores liderados por Elizabeth Gould usou técnicas mais recentes e mostrou que o nascimento de novas células nervosas era sim possível em primatas adultos (GOULD et al, 1998 GOULD et al, 1999). O mais importante é que os novos neurônios foram encontrados em locais supostamente responsáveis por funções complexas, como memória, tomada de decisões e reconhecimento de formas.

O antigo dogma já vinha sendo desmantelado aos poucos, porém supunha-se que a Neurogênese somente seria possível em locais menos evoluídos do cérebro. Por isso, os estudos de GOULD foram revolucionários, eles se referem à área mais complexa: o córtex.

Alguns cientistas, porém, não são tão otimistas. Mais recentemente, um trabalho de David Kornack, e Pasko de Rakic, encontrou resultados diversos de Gould, a dupla usou os mesmos métodos de análise que a equipe de Elizabeth e encontraram novos neurônios somente no bulbo olfativo, responsável pelo olfato, e no hipocampo, responsável pela memória de curto prazo, sem verificar a Neurogênese no Neocortex, afirmando que as células novas ali encontradas não eram neurônios (KORNACK & RAKIC, 2001).

Apesar da questão não ter fim definido, é inevitável inclinar-se a acreditar nos resultados de GOULD. Suas descobertas trazem esperanças para o tratamento de lesões e doenças degenerativas, como o mal de Alzheimer, além de criar expectativas para o combate de males associados ao avanço da idade. A própria fundação da antiga crença é baseada em um paradigma ultrapassado, tipicamente cartesiano, a questão era: se a memória é permanente e o córtex é responsável por ela, então o córtex deveria ser fisicamente imutável.

Essas novas células participam de funções cerebrais importantes e sua perda e nascimento parecem ser relacionados aos desafios cognitivos enfrentados (KEMPERMANN et al, 1997; SHORS et al, 2001; GOULD et al, 2000). Não podemos, portanto, ser deterministas, nem rotular pessoas por sua maior ou menor capacidade para determinada tarefa. Muito menos desprezar os idosos, como se estivessem fadados a uma inevitável e irreversível perda das funções nervosas. Todos podem se desenvolver se estimulados adequadamente! Mais do que nunca, afirma-se que somos produtos de nossa interação com o meio, nosso desenvolvimento depende tanto das oportunidades que nos são dadas quanto de nossa maneira de encarar estas oportunidades, a qualquer tempo e em qualquer idade.

Em um estudo de GOULD fez-se um teste denominado "Paradigma do residente-intruso", no qual um macaco macho adulto, criado em cela individual, é colocado na cela de outro adulto, resultando em encontro agressivo e posição de subordinação do "intruso" em relação ao "residente". Foi verificado que após uma única sessão de 1 hora deste (cruel) teste o número de células proliferadoras nestes animais caía significativamente em relação a animais não estressados. Ou seja, situações de estresse influenciam negativamente no nascimento de novos neurônios (GOULD et al, 1998). O papel negativo do estresse foi confirmado por diversos outros estudos, como o de TANAPAT et al (2001), no qual ratos eram expostos ao odor de fezes de raposa. Uma revisão de GOULD & TANAPAT (1999) atribui o efeito do estresse às alterações bioquímicas específicas, como a elevação da adrenalina e dos corticosteróides.

Com as descobertas feitas em Princeton, é tentador achar que podemos combater lesões e degenerações do sistema nervoso com as atividades físicas. Além de todos os benefícios conhecidos, comprovar-se-ia mais um: a saúde neurológica. Nesta linha destaca-se o estudo recente do grupo de JOSÉ LUIZ TREVO, onde foi verificado que o exercício em ratos estimula a absorção pelo cérebro do fator de crescimento IGF-1, que teria efeito neurotrófico; Mas deve-se ter cuidado e responsabilidade ao entrar em um programa de atividades físicas com esse objetivo. Lembre-se que o estresse é antagonista da Neurogênese e que a atividades físicas tem tanto seu lado estressante, quanto estimulante. Um programa com potencial de promover o bom funcionamento neurológico deve ser responsavelmente equilibrado para que as alterações bioquímicas sejam as mais favoráveis possíveis.

Escrito por Vinícius Dobgenski em 29/01/2009 - 17:50:38 e publicado na Web Academia

Fw: Frase do ano de Drauzio Varella